Home » Blog » Pronunciamento sobre ato homofóbico contra Bárbara Pastana


Venho aqui reportar um ato de violência praticado ontem contra a coordenadora de Política para Transexuais do Estado do Pará, Bárbara Pastana. Bárbara trafegava de bicicleta com seu filho, um bebê de 2 anos de idade quando um carro diminuiu a marcha, passou a acompanhar os dois no trajeto e, em determinado momento, o condutor direcionou o carro à bicicleta, derrubando a servidora do Estado e a criança, que, ao cair, machucou a cabeça na sarjeta e teve o braço fraturado.

Estamos vivendo um ataque sistemático de criminosos homofóbicos contra transexuais e homossexuais no Pará. Apenas este ano, 30 transexuais foram assassinados no Estado, revelando uma escalada de violência contra os mais vulneráveis.

No Brasil, o risco de um homossexual ser assassinado é 785% maior que nos Estados Unidos, de acordo com dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

O quadro mostra que as vítimas são majoritariamente do sexo masculino, de cor preta ou parda e jovens até 30 anos.

É comum as vítimas conhecerem o agressor, mas, na maioria das vezes, o agressor é desconhecido e a violência é motivada pela simples presença da vítima, sem que haja nenhum tipo de provocação ou relação de causa anterior.

Este tipo de violência deve ser combatido com tanta veemência quanto a que vitima mulheres. Devemos empenhar nossos esforços para varrer do mapa, sobretudo, este preconceito, que nos mostra o quanto carecemos de tolerância enquanto sociedade.

No caso da companheira Bárbara Pastana, quero registrar a prontidão da delegada Hildenê Falqueto, da Delegacia de Crimes Homofóbicos, mas é óbvio que a relevância da vítima acelerou a apuração. Por isso, me somo à luta dos transgêneros e dos homossexuais do Estado do Pará, pedindo ao Governo do Estado que redobre esforços para coibir este tipo de atentado contra a vida.

Cadastre seu email em nossa Newsletter e receba nossas notícias.

 
© Copyright 2017 Bordalo - Todos os direitos reservados.