Home » Blog » Líder sindical assassinado é homenageado em Moju


“Virgilio, a tua luta não foi em vão”.

A frase acima ecoou no último sábado (08), num auditório lotado, no município de Moju. Trabalhadores rurais, sindicalistas, professores universitários e diversas personalidades ligadas à luta pela reforma agrária e pelos direitos humanos no Pará prestaram homenagens ao líder sindical Virgílio Serrão Sacramento, assassinado no dia 05 de abril de 1987. Para marcar os 30 anos da morte de Virgílio, o Sindicato dos Trabalhadores Agricultores e Agricultoras Rurais em Regime de Agricultura Familiar de Moju realizou uma extensa programação com o tema “Dia de Memória, Luta e Resistência em Favor da Vida e do Planeta”.

Um dos momentos mais emocionantes foi a inauguração do auditório de entidade, batizado em homenagem ao sindicalista. Uma pequena cerimônia marcou a abertura do espaço, com a presença da viúva de Virgílio, dona Maria Sacramento, e seus filhos. O deputado Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará, participou da homenagem.

“Uma das lutas de meu pai foi pelo acesso à educação. Além de trabalharmos na roça, ele sempre fez um esforço enorme para que cada filho pudesse estudar, às vezes levando uma latinha com farofa de ovo para a merenda, percorrendo longas distâncias de bicicleta. O sonho dele era formar todos os filhos, e os filhos dos trabalhadores rurais, com a interiorização da universidade”, lembrou Elias Virgílio. “O sonho do trabalhador rural é continuar na terra, mas com recursos para investir e melhores condições para seus filhos. Hoje, quando vejo filhos de trabalhadores rurais conseguindo acesso à universidade, sei que a luta dele não foi em vão”.

O deputado Carlos Bordalo lembrou do grave momento de ameaça e perseguição aos defensores de direitos humanos no Brasil, com o crescimento de ideias fascistas e a perda de direitos históricos conquistados pelos trabalhadores. “A gente se pergunta até quando a violência contra os trabalhadores rurais vai continuar. E, tão grave quanto, é a violência urbana, que vem crescendo de forma preocupante. Por isso, clamamos por Justiça, para Virgílio e tantos outros que nem foram registrados, mas tombados pela disputa pelo latifúndio”, disse o parlamentar.

Durante a semana, Carlos Bordalo fez um pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa do Pará, em homenagem à memória de Virgílio Sacramento. O sindicalista foi assassinado quando retornava para sua casa, no dia 05 de abril, às 16h, levando o jantar para sua família. Foi bruscamente atropelado em sua moto, sem nenhuma chance de defesa. Seu assassino e os mandantes nunca foram condenados.

“Há uma escalada de assassinatos de ativistas ambientais no mundo inteiro. O relatório da ONG internacional Global Witness destaca que o Brasil e o Camboja são os países mais afetados pelo problema. A entidade estima que aproximadamente mil pessoas foram assassinadas por essa razão na década passada. O Brasil tem uma vergonhosa liderança nessa lista, com 365 assassinatos de líderes conservacionistas neste período”, afirmou o deputado, lembrando de nomes como Chico Mendes e Dorothy Stang, morta há dez anos por defender o uso sustentável da floresta.   

Cadastre seu email em nossa Newsletter e receba nossas notícias.

 
© Copyright 2017 Bordalo - Todos os direitos reservados.