Home » Blog » Colares e Vigia reféns da insegurança


Recebo denúncias do SINTEPP e da Associação dos Comerciantes da Ilha de Colares, dando conta de que a população do município está sobressaltada e indignada com a insegurança que tomou conta da cidade. Recebo, também, denúncias de moradores do município de Vigia apresentando um quadro semelhante ao de Colares, com o aumento da criminalidade e a ausência de segurança pública para a população.

O município de Colares(foto), com aproximadamente 12.000 habitantes, sempre foi conhecido como um lugar de muita paz, onde moradores e visitantes viviam tranquilamente. Esta realidade, lamentavelmente, mudou.

Uma série de acontecimentos vem tirando a paz da ilha, como assaltos à mão armada, tráfico de drogas, invasão de domicílios e comércios, furtos, roubos de carros, motos, assassinatos, etc... Pelas denúncias Colares tem vivido os horrores característicos dos grandes centros urbanos.

A situação é tão grave que muitos professores, segundo o SINTEPP, estão abandonando turmas de alunos na zona rural do município, por não se sentirem seguros para chegar até as escolas. No deslocamento para a zona rural, os professores são assaltados nos ramais, tendo seus pertences e veículos roubados por bandidos. Com isso, são centenas de alunos sem aula

Os comerciantes da cidade rotineiramente têm seus estabelecimentos invadidos e mercadorias roubadas, acumulando sérios prejuízos. Residências são invadidas, destruídas e roubadas bem como prédios escolares. Segundo as denúncias, o tráfico de drogas está tomando conta e tirando o sossego da população.

A maior preocupação da população está na impunidade. Após denunciados, supostos traficantes são pegos em flagrante por policiais militares, levados à delegacia, porém, na maioria das vezes, não ficam presos e, assim, a população segue desprotegida, refém de bandidos e sem confiança nas instituições públicas.

Paralelo a isso, com um efetivo policial muito abaixo da real necessidade, fica ainda mais difícil combater a criminalidade no município. 

Em Vigia, não muito distante de Colares, a situação não é diferente, com a crescente da criminalidade e a falta de segurança pública no município. 

Uma cidade extremamente acolhedora e conhecida pelas suas importantes festividades, também está refém do crime. Os assaltos diários e as pessoas de bem sendo ameaçadas pelos bandidos têm feito parte do dia a dia dos Vigienses.

Da mesma forma que o Município de Colares, em Vigia o efetivo muito pequeno de policiamento não dá conta de atender a demanda. Soma-se a isso a falta de estrutura da delegacia, o que torna deficiente a atuação da polícia civil, que dificilmente consegue resolver os problemas, até por falta de pessoal.

Diante dos últimos fatos que vem acontecendo em Vigia e pela falta de resposta do poder público, a população está organizando uma caminhada do movimento “Vigia Pede Paz”, nesta sexta-feira, dia 24 de junho, para cobrar das autoridades um maior empenho no combate ao crime no município. Dados extra-oficiais, trazidos pela comunidade, apontam que somente nos últimos 15 dias, quatro pessoas foram assassinadas na cidade. 

Infelizmente, este cenário é desolador e só fortalece a cultura da violência que está sendo instalada nestes municípios, assim como no restante do Estado. As estatísticas paraenses de criminalidade são comparáveis aos países que estão em guerra. Isso é um absurdo e não podemos permitir que esta situação continue como está.

Diante disso, nesta quarta-feira (22) protocolei duas moções solicitando a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social –SEGUP, Policia Civil, Policia Militar e Prefeitura Municipal de Colares e de Vigia, providências para combater estes altos índices de violência e criminalidade a que estão expostos os moradores desses municípios.

Cadastre seu email em nossa Newsletter e receba nossas notícias.

 
© Copyright 2017 Bordalo - Todos os direitos reservados.