Home » Blog » MST prepara Jornada Nacional de Lutas


O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) está preparando mais uma edição da Jornada Nacional de Lutas, com ações espalhadas por todo o país, neste próximo mês de abril. No Pará, a mobilização inclui o Acampamento da Juventude, em Eldorado dos Carajás; um acampamento em Belém, no Mercado de São Braz; e a Jornada Universitária de Apoio à Reforma Agrária, na Universidade Federal do Pará (UFPA). Na última quinta-feira (30), representantes do MST estiveram no gabinete do deputado Carlos Bordalo (PT), na Assembleia Legislativa do Pará, para divulgar as próximas ações do movimento.

A Jornada de Lutas tem o objetivo de reafirmar a principal bandeira do movimento, a luta pela reforma agrária, chamando a atenção da sociedade para a crescente criminalização dos movimentos sociais. Segundo Ulisses Manaças, líder do MST no Pará, atualmente existem 17 militantes presos e mais de 20 respondendo a processos judiciais em todo o Brasil. A região amazônica, marcada historicamente pelos latifúndios e pelo incentivo governamental a grandes projetos que geram profundos impactos ambientais, tem sido palco de graves conflitos, muitos deles resultando na perseguição e no assassinato de líderes do MST.   

“Grandes companhias como a Vale são contra os assentamentos e tentam forçar os agricultores a vender suas terras, utilizando todo tipo de persuasão, desde a construção de cercas para isolar os trabalhadores e impedir que tenham acesso à água, por exemplo, até agressões, como vimos recentemente em Parauapebas”, explica Ulisses.

A Jornada Nacional de Lutas será realizada de 10 a 17 de abril. Uma das principais ações é o Acampamento da Juventude, em Eldorado dos Carajás, onde 19 trabalhadores rurais foram mortos pela polícia militar, em 17 de abril de 1996. Segundo a Anistia Internacional, em duas décadas após o episódio, mais 271 trabalhadores rurais e lideranças foram assassinados somente no Estado do Pará.  

O Acampamento da Juventude reúne anualmente cerca de 300 jovens, numa programação intensa de formação política, incluindo mesas, debates, oficinas, atividades culturais e visita ao assentamento do MST na área.

Entre os dias 13 e 17 de abril, uma delegação ficará acampada em Belém, no Mercado de São Braz, realizando diversas atividades, com destaque para a Feira da Reforma Agrária e a participação de grupos culturais. “Essa programação é uma forma de nos aproximar da sociedade e mostrar as experiências positivas resultantes dos assentamentos”, explica Ulisses.

Na segunda-feira, dia 17, representantes do MST se reúnem com o Governo do Estado para cobrar compromissos firmados e ainda não cumpridos na pauta de regularização dos assentamentos no Pará. Ulisses Manaças explica que algumas áreas, como o Assentamento Chico Mendes, em Benevides, já estão ocupadas pelos agricultores há mais de dez anos, com produção organizada de hortaliças que abastecem a Região Metropolitana de Belém. “No entanto, essas terras ainda são alvo de disputa pela falta de regularização”, resume.

A 4ª Jornada Universitária de Apoio à Reforma Agrária será realizada nos dias 24 e 25 de abril, reunindo debates, oficinas e atividades culturais no Vadião da UFPA. Esse será o terceiro ano da programação, que em 2016 foi realizada em mais de 60 universidades brasileiras.

 

 

Cadastre seu email em nossa Newsletter e receba nossas notícias.

 
© Copyright 2017 Bordalo - Todos os direitos reservados.